+Academia: Livro “A lã e a Neve” representado no New Hand Lab

+Academia: Inês Brás
+Academia: Jéssica Filipe

A ASTA – Teatro e Outras Artes apresentou Lano kaj Neĝo, uma adaptação do livro “A lã e a Neve”, nos dias 23 e 24 de maio e novamente no dia 26, no New Hand Lab, na Covilhã.

O livro do autor Ferreira de Castro e da direção de Miguel Pereira, é um símbolo cultural e social da região da Beira Interior, cujo objetivo principal é projetar as questões e ansiedades da sociedade, com o acompanhamento de um contexto local.

Sara Rebelo, de 40 anos, é grande fã de teatro e da companhia ASTA, sendo uma fiel acompanhante do seu trabalho. A espectadora mencionou que para além de ser uma referência da literatura nacional, é também importante para a Covilhã: “reflete a história dos operários quando a cidade ainda tinha fábricas”.

A peça foca-se no percurso de Horácio, um pastor de Manteigas, que anseia reunir as condições financeiras para poder ter a casa em que sonha e viver com a sua família, até que um dia se torna tecelão numa fábrica na Covilhã e se confronta com a dura realidade do operariado.
A história decorre no séc. XX, durante o período da Segunda Guerra Mundial e da ditadura em Portugal, onde nos é apresentada uma serra isolada, cheia de serranos com condições precárias e o apogeu do mundo industrial e têxtil na Covilhã.

Um dos três participantes do elenco (contando com a presença de Carmo Teixeira e Sérgio Novo), Bruno Esteves, de 36 anos, afirma que: “o principal objetivo da adaptação da obra é ser fiel, objetiva e interessante na sua representação e que ao tornar viva a obra, perante as pessoas, perpetua-se um marco para todas as gerações”.

O nome da peça, Lano kaj Neĝo, é uma versão de “A Lã e a Neve” na língua esperanto (língua artificial criada como uma tentativa de projetar uma língua universal). O esperanto é referido na obra, através de Marreta, um personagem emblemática e fulcral, que representa a busca dos ideais progressistas que Ferreira Castro insere na narrativa.

A peça que teve a duração de 60 minutos contou com a co-produção da Câmara Municipal da Guarda, Câmara Municipal de Gouveia, Freguesia de Famalicão da Serra, Teatro Municipal da Guarda, Cine Teatro de Gouveia, a Casa da Cultura de Famalicão da Serra, o apoio da Câmara Municipal da Covilhã, IPDJ, New Hand Lab e o Oriental de São Martinho.

A ASTA é uma estrutura financiada pela República Portuguesa – Cultura, a DGArtes (Direção Geral das Artes).


Partilha isto: